XoXo: Gossip Girl chega ao fim

E então chegamos ao final de Gossip Girl. Casamentos, fuga da polícia (mas o Chuck não tem culpa, ele não empurrou, só deixou cair!) e a grande bomba sobre quem estava por trás do blog homônimo todo esse tempo. Sim, eles resolveram cruzar a linha e revelaram quem era Gossip Girl – e era uma pessoa que eles sempre tiveram em mente, segundo ainda teve coragem de dizer a Stephanie Savage (como tinham isso em mente e deixaram tantas esquisitices/buracos de roteiro é assunto para outra série).

Entendo que essa revelação era a única surpresa que a série tinha a oferecer na sua finale, então OK. Também entendo que talvez a graça e o OMG tão amado seriam bem menores se GG fosse um personagem secundário no final de tudo isso. Mas qualquer um dos principais que fosse apontado como a fofoqueira que era a coluna da série traria 1) buracos imensos ao roteiro; 2) não só buracos, mas implicações sobre o caráter da pessoa, quão manipulativa a pessoa foi para ficar anos e anos implicando a si mesmo em situações para disfarçar ser a GG.

Continuar a ler “XoXo: Gossip Girl chega ao fim”

Gossip Girl, The Return of the King

Quantas vezes, e de quantos modos, poderá Gossip Girl decepcionar? Procurem aí nos arquivos e verão que minha relação com o programa é quase um hate-watching (termo que pego emprestado da Emily Nussbaum), mas infelizmente não consigo me desprender a ponto de simplesmente parar de assistir a série (sempre foi algo difícil para mim, mas o fiz com bastante sucesso, no geral, esse semestre). Então adoraria estar aqui escrevendo que para mim já deu, que não verei nenhum episódio da sexta temporada, mas não vou perder tempo mentindo. Vamos partir para o que interessa: como essa terrível season finale foi a cereja do bolo no que já não era lá essas coisas de temporada.

Tiro logo do caminho o grande “mistério” sobre quem a Blair ia escolher. Apesar de ter torcido para a série se dedicar a um casal novo que parecia interessante e apesar de nunca ter gostado de Chuck, todos os sinais começaram a ser dados de que mais uma vez, AINDA MAIS UMA VEZ, teríamos Blair e Chuck se encontrando em meio a desventuras – além da falta de esforço dos roteiristas em tratar o novo casal, que estava embolorado com dois episódios. O rei que retorna do título pode até ser, estrito senso, o Bart Bass, mas a verdade é que é o Chuck, de volta ao coração de B. OK. Mas como isso acontece, meus caros?

Com a dose usual de tramóias (vou tratar mais disso quando falar do desastre S.), um tanto de pressa e falta de consideração (era uma minoria, mas ainda existiam fãs que se dedicaram a Blair e Dan. Foi apenas usado e pronto) e sacrificando Dan para de alguma maneira fazer a transição pro status quo mais fácil? Sim, porque tiveram que jogar Dan nos braços de Serena para ficar melhor para retomar o outro casal. E, by the way, teve um término? Ou Blair simplesmente voou pra Paris e deixou Dan sendo atualizado pela Gossip Girl?

Daí que na hora H a Blair vai lá achando que vai fazer a grande revelação pra Chuck sobre como sempre o amou, e que os dois vão finalmente viver felizes para sempre, e o cara, que um bloco antes tava lá olhando anéis e pensando em reconquistar a ex, dá um passa fora porque levou uma dura do papai Bass, que disse que ele sempre colocava Blair à frente dos negócios. Essa é a versão amadurecida de Chuck, companheiros. Eu entendo que o personagem quer mostrar seu valor para o pai, mas não, né. Blair faz sua escolha na season finale e GG MAIS UMA VEZ consegue colocar ela atrás de Chuck…

A produtora Stephanie Savage disse que os roteiristas assistiram o piloto da série antes de se debruçar sobre a finale para tentar captar a essência do programa. Ela até diz que o passeio de trem de Serena no final do episódio é uma citação à clássica cena de S. chegando a Manhattan depois de sair do colégio interno. Os paralelos estão lá: Serena novamente está sozinha e sem amigos depois de meter os pés pelas mãos. Mas se naquela época S. voltava de uma época de dissipação e drogas, dessa vez ela parece estar mergulhando diretamente na vida desregrada, usando drogas, fazendo sexo com desconhecidos (era no que ia dar com aquele traficante, né?).

Nada novo aqui também. Não é a primeira vez que Gossip Girl flerta com uma queda de Serena. A Serena sofre nas mãos desses roteiristas a ponto de não ter outra maneira de encarar o personagem senão como alguém profundamente volúvel. E a volubilidade da loira esteve em alta na temporada, com toda essa coisa dela incorporar a Gossip Girl. Se no episódio anterior ela alienou Nate (e Lola ainda antes), agora foi a vez dela afastar Blair e Dan fazendo coisas como escanear o diário de B. para ter um trunfo contra ela porque estava irritava com o romance entre a amiga e o ex-namorado. E se Serena parecia ter aceitado, depois da chateação inicial, o novo casal, aqui ela voltou para a ideia de que está apaixonada por Dan. Acho que os roteiristas não tinham outra solução do que voltar a isso, né? Mas o lado esquema da S. estava a mil nesse episódio e o sexo dela e Dan serve aos dois propósitos – o amor e a armação, claro, porque ela filma tudo. Diz que deletou depois, mas vai vendo.

Piranhar Serena, ressucitar Darena/Chair e bagunçar com a amizade das duas, o triângulo central de Gossip Girl.

E Dan fica possesso por ter sido manipulado por Serena – na verdade, a loira mentiu para ele, mas ele transou com ela porque quis?? E, claro, ainda tem o o fato  de que levou um olé da Blair. Por conta disso, a última vez que vemos o Lonely Boy no episódio ele está num carro com GEORGINA SPARKS e provavelmente vai entrar com tudo no lado Malhação de GG na próxima temporada. Vamos ver o que vai acontecer, mais esquemas à vista? Só restou isso para essa série.

OUTRAS OBSERVAÇOES

– Sem comentários a Lola dando seu dinheiro da herança pra Ivy (!!!) para que ela vá atrás de Lily (!!!) porque a tia teria prejudicado sua mãe. Lola pelo jeito não vai voltar – a atriz estará em uma nova série – e vamos nós, espectadores, ficar com essa trama horrenda para encarar na sexta temporada.

– E Lily, por sinal, se tornou subitamente bígama com o retorno de Bart – e, chocantemente, resolveu retomar um casamento que já estava falido com um cara que estava se passando por morto (por qualquer motivo que seja, não interessa). Meu interesse nesse triângulo amoroso é apenas nenhum. Faz tempo que um desses três foi um personagem interessante – se é que já foram, mesmo descontando pro Bart o tempo ausente, risos.

– E a Blair assumindo a empresa da mãe, do nada? Sem comentários. Nem mesmo ainda consigo acompanhar o status profissional/estudantil desses personagens. Lembram que chegamos a ter Blair na faculdade?

– Nate parece ter uma boa pista sobre a identidade da Gossip Girl. Aposto que não dará em nada (me pareceu da entrevista da Savage pro TV Line que ela gostaria de poder desmascarar a blogueira em algum ponto, provavelmente no final, mas disse que essa revelação é maior do que a série e precisaria ser aprovada por altos escalões…)

Gossip Girl
CW
The Return of the King
Escrito por Sara Goodman
Dirigido por J. Miller Tobin

Gossip Girl: A princesa, o sapo, o bêbado…

Está ficando difícil acompanhar Gossip Girl… Um dia é uma coisa, outro dia é outra… Um mês atrás a gente discutia se Dan e Blair poderiam decolar e no episódio de ontem Dan já está quase flertando com Charlie e Blair está em um triângulo com Chuck e o príncipe Louis.  Os demais personagens continuam perdidos – Vanessa aparecendo sobre os ombros de todo mundo, Serena com um ódio desproporcional e sabotando Blair em mais uma edição (mal feita) da guerra fria que vez ou outra se torna a amizade das duas. Os personagens estão todos fora de sintonia.

Fora tudo isso, existe um grande problema que atende pelo nome de Chuck. É o grande nome do episódio por motivos óbvios – comportamento extremo, abusivo etc e tal. Não posso esconder (e nem tenho como) que nunca gostei do Chuck. Anti-herois e bad boys são coisas muito mais difíceis de acertar na mão do que mocinhos. Eu não aguento mais esses personagens rasos que têm um “lado dark” – precisamente o caso do Chuck, querem nos fazer crer os roteiristas.

Porque, veja, eu até entendo a raiva dos Chair/fãs de Chuck. O personagem nunca deixou de ser canastrão e sempre também foi um pouco cretino (vide episódio do hotel), mas pelo menos tinha deixado esse lado abusivo de lado há um bom tempo. Aí chega nesse episódio “The Princess and the Frog” e Chuck conhece mais uma jornada “sombria”, “atormentada”, rumo ao fundo do poço. Isso porque começou a temporada se reerguendo (um homem simples, frugal, uma nova vida etc)… Os roteiristas estão doidos e exageraram muito na tinta ao botar Chuck quase descendo a mão na Blair e tentando agarrá-la. Você pode odiar os caras por “fazer isso com o Chuck”, mas a verdade é que Chuck foi abusivo – coerente ou incoerente que seja. “Ah, mas ele não bateu de fato”, etc, MEU AMIGO. Vamos respeitar os telespectadores, né. Porque agora entrevistas afora o Joshua Safran quer reforçar que aquilo ali foi só o Chuck em um momento perdidão, que ele nunca bateria na Blair e que Blair saiu correndo, mas sem medo. Se ela tiver algum medo é pelo que Chuck pode fazer a si mesmo!, diz o gênio. Não é mistério que Gossip Girl esteja tão ruim, comandada por gente assim…

Meu interesse por uma jornada “sombria” que vá levar a uma redenção do Chuck é zero, mas agora que vamos seguir esse caminho fingindo que a cena de ontem foi apenas Chuck sendo autodestrutivo e não incontrolavelmente abusivo ficou ainda pior, né. “Você é minha”, blablabla. Mas deve funcionar para alguns, imagino… Tem gente que acha o Chuck um heroi (a moça do E! o comparou ao Rhett Buttler?? Meu Deus do céu) e tem gente ainda com pena dele, tão sozinho, todo mundo dando as costas, entrando numa cilada… É tudo por amor, é épico…

***

As coisas estão tão bagunçadas em Gossip Girl que nem sei mais pelo que torcer. Depois de ignorarem tão solenemente Dan e Blair, nem vejo como entrariam aí novamente; o príncipe obviamente não vai a lugar nenhum. Só resta crer que vão realmente dar um jeito de fazer a Blair voltar para o Chuck, a despeito de tudo que aconteceu. Ânimo zero. A história de Raina (como disse o Vulture, porque é pior que sua mãe tenha morrido do que que ela tenha te abandonado?) também está no limite do tédio. Sobram as desventuras de Charlie (vai se dar mal, Vanessa vai ganhar alguma redenção, creio) e o que quer que resolvam fazer com Serena – a episódios do final da temporada, é preocupante não saber o que será? Vão jogar pro Dan de novo (que carrossel de emoções a vida sentimental deste rapaz…), vai ficar só de sidekick das histórias de Blair, vão inventar alguma arte?

A polêmica cena – que eu acho somente repulsiva, mas o Safran quer que eu ache um interessante desenvolvimento para o personagem CHUCK BASS, pressionado por tantas perdas e más notícias, desorientado (até a direção tava doidona), entrando em uma jornada que com certeza vai levar a auto-conhecimento e blablablabla.

A promo do próximo (SHATTERED BASS, ahhaha), “meu sobrinho está à beira de um precipício”, cês centiram a vibe

Dare to Dair…

Gossip Girl está enfrentando mais uma temporada incrivelmente sem inspiração. Jogando Serena para lá e para cá com conflitos bobos, sub-utilizando mais uma vez os personagens adultos, perdendo Chuck em tramas totalmente sem graça, e meio repetitivas em fundamento, sobre as indústrias Bass… Enfim, ninguém está tendo uma temporada muito boa na série da CW e eis que surge o que seria impensável… um possível casal com Blair e Dan.

As primeiras menções de Dair surgiram dos próprios fãs. Fã é um negócio sério – tem shipper de qualquer coisa, mesmo de “casais” que nunca existiram e nem tiveram qualquer traço de existência. “Dair” para mim começou assim, vendo gente comentando em fórum e vendo fã vídeos etc. Não consigo deixar de pensar que os próprios roteiristas de Gossip Girl viram o bafafa, que foi, sim, crescendo, e resolveram usar. Por que Gossip Girl, como todas séries adolescentes, brinca com várias combinações, mas mesmo assim é muito estática nessas coisas de romance. Desde o início da série existe a sensação de que Blair vai terminar com Chuck, Serena com Dan e tem o Nate ali no meio servindo a todos os propósitos de encher outras combinações. Nas séries teens tem sempre quem fica com o namoradinho adolescente, mas sempre achei meio exagero em GG ser tudo tão fixo assim, tão claro assim, tornando todo o resto meio supérfluo – todos os namorados da S., por exemplo, perdem qualquer peso, misturando tudo com os roteiros que têm andado muito fraco, e até com o Nate, que podia ser big deal, foi assim.

Inclusive, que lembrança, encerraram a temporada dando uma piscadinha para a possibilidade de voltarem a lidar com Serena e Dan, depois dela terminar com Nate, e o Dan ainda está, em teoria, interessado num comeback com a loira, mas os roteiristas estão se permitindo brincar com essa outra possibilidade, muita aterradora para alguns… (especialmente para os shippers bluck, que acham que são os donos da série). Eu acredito que a série vai só brincar com isso. As histórias de Dan e Blair estão sendo, sim, as melhores da temporada, porque têm bons diálogos, um clima interessante, química e certo humor. Inclusive na cena do fatídico beijo (“For crying out loud, Humphrey!”), eles ainda vão um pouco pelo engraçado. Na volta, ou o beijo significou algo para um ou para os dois, ou simplesmente os dois vão sair fazendo careta e jurando esconder para sempre o que aconteceu, voltar aos seus rumos e quem sabe sair do armário com a amizade… E eu acredito que vai ser esse último caminho, o que é um pouco triste.

Ao mesmo tempo em que dá gás para Dair, a série coloca Chuck novamente em um caminho de decadência e vulnerabilidade que tende a levá-lo, surpresa surpresa, de volta a Blair… Mais uma vez. Ainda existe essa sensação no ar de que Chuck e Blair são o casal “endgame”, o que é compreensível pelo tempo & reviravoltas envolvidos, mas eu particularmente nunca gostei muito deles juntos. Gossip Girl pode, sim, aproveitar a oportunidade e dar uma guinada na série. Sempre acho interessante quando uma série muda tão completamente uma perspectiva assim. Estão citando corretamente Joey e Pacey (Dawson’s Creek), aconteceu também com Veronica e Logan em Veronica Mars (para meu espanto e desgosto, assumo, rs) e vez por outra as séries preferem mudar os pareamentos, o que soa mais realista. Infelizmente vamos ter que esperar três semanas (SIM!!) para ver a continuação…

UPDATE: Promos são enganosas, mas vendo essa promo do próximo episódio parece que pelo menos vai ser big deal

gossip girl chega ao meio da temporada com ameaça de fim

 

Ultimamente não tenho escrito nada de nada, mas sinto falta, vez ou outra, de vir aqui xingar os absurdos de Gossip Girl… Acho que por pior que a série fique está escrito na história que vou sempre me importar e tenho que simplesmente aceitar isso.

Tivemos, desde meu último comentário, “The Witches of Bushwick”, em que Vanessa, Jenny e Juliet tentam “acabar” com Serena com um planinho completamente idiota (e todo mundo compra, claro), “Gaslit”, em que Serena acorda drogada sem saber o que aconteceu e fica chateada por todos acharem que ela voltou pra vida, hm, radical, e “The Townie”, em que finalmente a verdade sobre Juliet e seu irmão vem à tona. Os três episódios foram de ruins para péssimos, com raríssimos bons momentos, e todas as histórias estão se encaminhando para lugares bestas. Não vai ser fácil encarar (mais essa) vilanização da Lily e eu sinceramente tô nem aí para o casamento dos pais de Nate (espero que agora a cadeia não seja mais tão central e, portanto, larguem a reabilitação do capitão) e se os casais andaram em banho maria, a promessa de voltarmos com tudo ao passado (Chuck-Blair, Dan-Serena) não me anima nem um pouco.

Gastamos metade da temporada nesse arco horrível que foi a história da vingança de Juliet. Percebam que a solução foi muito pobre (Serena, afinal, não destruiu a vida de ninguém, Lily estava por trás de tudo) e que não há nenhuma verossimilhança no irmão de Juliet. Nos flashbacks, era um jovem professor ingênuo. No presente, um homem rancoroso atrás de vingança. Poderia ser o fator tempo, mas quando Serena aparece ele se derrete em dois segundos e volta a ser um bobinho… O personagem não tem escopo. E a Juliet, então? Concordou em mentir e se envolver em uma cilada para fazer mal a quem supostamente prejudicou seu irmão mas agora devemos crer que ela é uma boa pessoa. Tudo de ruim que fez é justificável porque estava buscando uma vigança digna e tudo mais (mesmo que no finzinho ela tenha dito ao irmão que já não se tratava mais somente dele, se referindo, creio, a todo o drama – meia boca – com o Nate).

Agora a Juliet vai para o espaço e sabe-se lá o que vai acontecer nessa segunda metade de Gossip Girl, que volta em janeiro, não faço muita ideia. Largaram Jenny num limbo, Vanessa é aquela coisa tapa-buraco, Nate também funciona assim um pouco, e aí sobram os casais. Bocejo. Só não está pior que a terceira, acho, que era mais ofensiva, mas coisas como a cena toda do baile de máscaras (patética) ou de Serena e do professor (o Sam Page, no caso) “se segurando” para não se agarrarem me mataram um pouquinho.

E o que tem agitado o universo de Gossip Girl nos últimos dias é a notícia de que Leightoon Meester não pretende renovar com a série quando seu contrato se encerrar, em dois anos. Para mim isso significa não que a Blair vai sair da série (como já andaram chamando), mas que a série vai acabar, espero. Não se pode fazer Gossip Girl sem Blair ou sem Serena. É como diz a canção, amor sem beijinho, Bochecha sem Claudinho… Pode acontecer, como vi por aí, de a CW não querer largar o osso e acabar oferecendo acordos mais flexíveis para os atores, mas também não vejo muito como diminuir o tempo da Blair em cena sem lesar Gossip Girl… Teriam a coragem de ficar jogando gente nova e ir escanteando os velhos? Muita audácia, mas afinal de contas Gossip Girl é uma marca e vale mais do que fazer um spinoff (It Girl ou The Carlyles, para ficar nas séries da mesma autora). Só nos resta esperar. Dá um misto de conforto e agonia saber que os atores de Gossip Girl têm contrato de mais dois anos e que a sexta poderia ser a última da série… Embora, claro, séries como Gossip Girl não tenham esse problema de ir piorando por se arrastar. Ao que consta, GG poderia ter uma maravilhosa oitava temporada, enquanto que a terceira foi a bomba que foi. Etc. Acho que meio que por isso que não penso com alívio no caso do fim – como pensava com “Heroes”, por exemplo. Acho que eu assistiria mil temporadas esperando pelas probabilidades de um ou outro episódio em que eles azeitam tudo e fazem tudo direitinho – o que não aconteceu em nenhum momento nessa temporada.

 

gossip girl – 04×08 – juliet doesn’t live here anymore

Os roteiristas de “Gossip Girl” estão “enganchados” em temas muitos chatos nessa temporada. A linha por trás de tudo é uma vingança que Ben, irmão de Juliet, planeja contra Serena. Até agora não tivemos nada de efetivo sobre isso – o cara quer ferrar a S. porque, presumivelmente, foi prejudicado por ela no passado. E ele não liga nem por passar por cima da família para conseguir o que quer!

continue lendo

gossip girl – 04×06 – easy j

Acho que depois de cinco episódios de moderação – aquela coisa de não estar ruim, mas não estar bom – já posso dizer que essa temporada de “Gossip Girl” continua um pouco, hm, escorregadia nas histórias, repetitiva, boba. Claro que sempre que observarmos em perspectiva estará melhor que a terceira temporada – sempre, será? -, mas não posso mais ficar fazendo coro a estes que se satisfazem com qualquer cinco segundos de shipperia que recebem.

continue lendo