The Good Wife – In Sickness


Eu perdi a pena pela Alicia – e me incomodei um pouco com The Good Wife – na hora em que ela disse que “Isso torna as coisas mais fáceis” porque, meu Deus, se não é bem isso aí. O programa estava “enganchado” com o casamento de Alicia e Peter e com a simples falta de coragem (ou maneiras) de levar para algum lugar o interesse dela por Will. Ao fazer Alicia perdoar a traição de Peter e resolver aceitá-lo novamente, mas sem precisamente voltar a cair de amores por ele, “The Good Wife” ficou presa nessa situação e a maneira que encontraram para balançar foi com essa traição das antigas entre Peter e Kalinda (“minha melhor amiga”, enche a boca para dizer a Alicia) tirada do bolso como um coringa.

Claro que Kalinda não era melhor amiga de Alicia na época, como Peter faz questão de dizer (e faz diferença, claro), e é verdade que Alicia não tem amigo nenhum (círculo de amizade zero, chega a me dar medo) e só assim para esse companheirismo estar no nível BFF… Alicia tem obviamente todo o direito de estar irritada, mas ela não perde muito a linha – ela continua sendo a ‘boa mulher’, sensata, muda as coisas de Peter, paga os três meses de aluguel dele, explica tudo. A única hora que ela desaba é diante dos filhos – quando Grace tem a cretinice de dizer, ainda que ela tenha somente uns 13 anos acho injustificável, que a mãe deveria “protegê-los mais”. A série passa episódios e episódios mostrando como Grace é amadurecida para colocar uma fala fácil dessas na boca da menina, tão facilmente jogando muita culpa nas costas de Alicia. Achei que faltou sutileza, mas a cena foi bonita de qualquer maneira e qualquer emoção estava valendo.

O confronto direto entre Alicia e Peter não foi lá grandes coisas. Ela revela o que sabe, ele obviamente não nega, mas insiste que mudou, que isso foi há tempos, que a ama muito (esse amor que desabrochou novamente, como ele mesmo disse a Kalinda, mas a gente nunca viu exatamente como, porque, se é mesmo… O Chris North fica tão pouco na série que mal dá pra sentir)… O segundo confronto foi um pouco melhor, com o Peter querendo dar uma insinuada que Alicia está tão disposta a ser a vítima (rs) que não sobra nada para ninguém dizer. “Existe sim, Peter, diga algo que me faça me apaixonar por você de novo!”, ela grita, enquanto ele vai embora.

Outro momento de quase decepção foi quando Alicia volta para casa depois de expulsar Peter e bota uma música. Achei que ela ia sair dançando pela casa e que eu ia morrer assistindo isso, mas felizmente foi só a trilha sonora pruns dois segundos de levanta a cara para Alicia se preparar para afundar no trabalho – e ela esteve bem agressiva no caso da semana, que novamente trouxe de volta a Martha Plimpton, sempre bem.

E fora tudo isso ainda tenho que refletir sobre o que significa a cena final, um pareamento totalmente estranho entre Peter e Cary. Peter obviamente sabe que existe algo entre Alicia e Will – pode não ser algo tão mundano quanto SEXO, mas ele não deixa de ter razão quando afirma que isso “é sobre Will”. De certa maneira é também. Só posso imaginar que ele vá querer usar o Cary para de alguma maneira obter alguma informação, alguma vantagem, qualquer coisa, ligado a Alicia, Will, à empresa. Vamos acompanhar.

No todo, um episódio decepcionante. Espero que a hora da verdade entre Kalinda (que arrumou mais um flerte, um caso sério essa moça) e Alicia seja mais forte. E que Alicia também seja mais forte para seguir adiante para qualquer lado – ficar em cima do muro no casamento para sempre não dá mesmo.

Anúncios

Gossip Girl: A princesa, o sapo, o bêbado…

Está ficando difícil acompanhar Gossip Girl… Um dia é uma coisa, outro dia é outra… Um mês atrás a gente discutia se Dan e Blair poderiam decolar e no episódio de ontem Dan já está quase flertando com Charlie e Blair está em um triângulo com Chuck e o príncipe Louis.  Os demais personagens continuam perdidos – Vanessa aparecendo sobre os ombros de todo mundo, Serena com um ódio desproporcional e sabotando Blair em mais uma edição (mal feita) da guerra fria que vez ou outra se torna a amizade das duas. Os personagens estão todos fora de sintonia.

Fora tudo isso, existe um grande problema que atende pelo nome de Chuck. É o grande nome do episódio por motivos óbvios – comportamento extremo, abusivo etc e tal. Não posso esconder (e nem tenho como) que nunca gostei do Chuck. Anti-herois e bad boys são coisas muito mais difíceis de acertar na mão do que mocinhos. Eu não aguento mais esses personagens rasos que têm um “lado dark” – precisamente o caso do Chuck, querem nos fazer crer os roteiristas.

Porque, veja, eu até entendo a raiva dos Chair/fãs de Chuck. O personagem nunca deixou de ser canastrão e sempre também foi um pouco cretino (vide episódio do hotel), mas pelo menos tinha deixado esse lado abusivo de lado há um bom tempo. Aí chega nesse episódio “The Princess and the Frog” e Chuck conhece mais uma jornada “sombria”, “atormentada”, rumo ao fundo do poço. Isso porque começou a temporada se reerguendo (um homem simples, frugal, uma nova vida etc)… Os roteiristas estão doidos e exageraram muito na tinta ao botar Chuck quase descendo a mão na Blair e tentando agarrá-la. Você pode odiar os caras por “fazer isso com o Chuck”, mas a verdade é que Chuck foi abusivo – coerente ou incoerente que seja. “Ah, mas ele não bateu de fato”, etc, MEU AMIGO. Vamos respeitar os telespectadores, né. Porque agora entrevistas afora o Joshua Safran quer reforçar que aquilo ali foi só o Chuck em um momento perdidão, que ele nunca bateria na Blair e que Blair saiu correndo, mas sem medo. Se ela tiver algum medo é pelo que Chuck pode fazer a si mesmo!, diz o gênio. Não é mistério que Gossip Girl esteja tão ruim, comandada por gente assim…

Meu interesse por uma jornada “sombria” que vá levar a uma redenção do Chuck é zero, mas agora que vamos seguir esse caminho fingindo que a cena de ontem foi apenas Chuck sendo autodestrutivo e não incontrolavelmente abusivo ficou ainda pior, né. “Você é minha”, blablabla. Mas deve funcionar para alguns, imagino… Tem gente que acha o Chuck um heroi (a moça do E! o comparou ao Rhett Buttler?? Meu Deus do céu) e tem gente ainda com pena dele, tão sozinho, todo mundo dando as costas, entrando numa cilada… É tudo por amor, é épico…

***

As coisas estão tão bagunçadas em Gossip Girl que nem sei mais pelo que torcer. Depois de ignorarem tão solenemente Dan e Blair, nem vejo como entrariam aí novamente; o príncipe obviamente não vai a lugar nenhum. Só resta crer que vão realmente dar um jeito de fazer a Blair voltar para o Chuck, a despeito de tudo que aconteceu. Ânimo zero. A história de Raina (como disse o Vulture, porque é pior que sua mãe tenha morrido do que que ela tenha te abandonado?) também está no limite do tédio. Sobram as desventuras de Charlie (vai se dar mal, Vanessa vai ganhar alguma redenção, creio) e o que quer que resolvam fazer com Serena – a episódios do final da temporada, é preocupante não saber o que será? Vão jogar pro Dan de novo (que carrossel de emoções a vida sentimental deste rapaz…), vai ficar só de sidekick das histórias de Blair, vão inventar alguma arte?

A polêmica cena – que eu acho somente repulsiva, mas o Safran quer que eu ache um interessante desenvolvimento para o personagem CHUCK BASS, pressionado por tantas perdas e más notícias, desorientado (até a direção tava doidona), entrando em uma jornada que com certeza vai levar a auto-conhecimento e blablablabla.

A promo do próximo (SHATTERED BASS, ahhaha), “meu sobrinho está à beira de um precipício”, cês centiram a vibe