lost – 06×13 – the last recruit

Ainda não foi um episódio que me balançou muito, mas deixe-me logo dizer isso: amo essa teimosia do Jack. Jack deixou de ser um homem de ciência e agora é claramente um homem de fé e trilha este caminho com a mesma teimosia, a impetuosidade decidida, que o guiou no outro. Ele estava disposto a deixar o mundo se explodir, mas não ia apertar o botão da escotilha, e aqui ele sabe que pode muito bem se arrepender e até morrer, mas ele precisa ir até o fim. Sua ida à ilha teve um propósito e ficar tentando fugir – bem, foi-se o tempo.

Eu adoro o Jack. Acho um personagem muito tocante, consigo sentir suas angústias, seus conflitos, sinto por seus erros, pelo peso que sempre carrega. Que a maioria dos fãs ache Jack um saco me parece normal, protagonista costuma levar muito na cara e Jack tem esse quê de protagonismo, e também, né, a maioria dos fãs acha que Lost é pra gente com inteligência acima da média (o fato de ser um programa campeão de audiência e logo MASSIVO deve significar que a inteligência anda em alta no mundo).

Retomando ao episódio: por tudo isso, por seu significado essencial no que é Lost, toda a trama de Jack foi o que salvou esse episódio. Se ele é, de fato, o último recruta, não sei. Se aquele “agora você está comigo” macabro do FLocke significa que Jack morreu – cruzou a minha mente – também não sei. Só sei que estou 1 bilhão de vezes mais interessadas em saber o que será de Jack com FLocke do que em todos – e digo todos – os personagens que sobraram do lado de Widmore – que foi golpista, como sempre.

Aliás, qual a verdadeira intenção de Widmore? Sabe Deus. Sawyer levou sua galera para lá na esperança de pegar uma caroninha no submarino e foi surpreendido com uma recepção hostil. De qualquer maneira, talvez seja só os maus modos desse pessoal – porque ao explodir a ilha que eles tinham deixado ficou claro que Widmore queria garantir que estavam salvos antes de atacar FLocke. Ele não queria machuvar os candidatos – não contava com a volta de Jack, imagino.

Essa cena da fuga dos candidatos, que levam Lapidus de brinde, foi até interessante. Claro que Claire iria segui-los e tentar se impor, mas foi bacana Kate ter a chance de falar o que esperava falar desde a quinta temporada. De fazer algo efetivo para alcançar seu objetivo, que sempre foi unir Aaron a Claire. Que Claire esteja louca, como dizem e percebem todas, certamente a abalou, mas achei digno de Kate intervir para a australiana ir com eles.

Saywer queria deixar Claire, porque tá louca, e Sayid, que foi “para o lado negro” (Sawyer não pega a referência de Anakin, ok, ele estava na ilha na época da nova trilogia. A trilogia antiga tem o nome Anakin, mas é bem en passant). O iraquiano é mandado por FLocke para eliminar Desmond – você que achou que aquele poço era imenso e super cilada, surpresa: é rasinho e Desmond tava ali de boa. O brotha joga uma boa conversa em Sayid, perguntando o que a mulher que ama vai achar desse acordo com o diabo (metaforicamente, podendo ser real né rs) que ele fez para tê-la de volta. A cena corta e Sayid é o motivo para FLocke sair de perto do grupo e permitir a fuga, afinal… Ele quer checar que o serviço foi feito. Desmond morto é importante. Sayid diz que fez, fica no ar – mas é claro que ele não matou Desmond. Curiosa para ver o ressurgimento do brotha na trama.

O episódio ainda figurou o reencontro entre Jin e Sun, que achei bem constrangedor. Todos olhando com cara de bobocas, jogado no meio do episódio, banal e Lapidus ainda arrematou com aquele “olhe quem voltou a falar”. Me matem. Muito pouco e muito pobre para mais de uma temporada de separação do casal – e um casal verdadeiro, crível, muito mais real do que esses que tentaram nos vender como histórias de amor que balançam a estrutura do TEMPO ESPAÇO como Daniel e Charlotte (rs).

A parte do flash sideway me interessou zero. Claire e Jack descobrindo que são irmãos (com certa mãozinha de Desmond e um reaparecimento de Ilana). Jack indo operar Locke (né), depois que ele foi atropelado. Sun gritando assustada ao ver Locke. Ah, tem a Kate acusando o Sawyer de ter rabo preso – pois é, Sawyer não é um policial muito ético, não… Fiquei mais curiosa com a conversinha de Jack com a mãe de David – ainda curiosa para saber quem é ela. É fútil, vai ser só mais um rosto cruzando a história, mas estou morrendo de curiosidade sim.

Promo do The Candidate, semana que vem:

Lost
ABC
Sexta temporada
Episódio treze
Escrito por Paul Zbyszewski e Graham Roland
Dirigido por Stephen Semel

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s