damages – 03×09 – drive it through hardcore

Confesso aos amigos que essa parte de Damages que tenta ser metafórica e alusiva (e profunda e, ahem, psicológica) é a que mais me cansa. Acho que eles fazem mal, misturando umas obviedades dolorosas com uns sinais enigmáticos que supostamente dão profundidade. E eu sei que essa coisa da filmagem dentro da série, do filme sobre Frobisher, deveria funcionar como uma metalinguagem/malandragem/piscadinha de olho/reflexão, mas não consigo gostar. Sei onde eles querem ir e reconheço e aprecio o esforço, mas minha apreciação não o acompanha.

Em meio a isso tudo, temos essa história familiar gratuita da Ellen. Deveria servir para a gente conhecer mais a personagem e possivelmente para empurrá-la para seu lado Patty Hewes, mas aparece tão espraiada pelos episódios que nunca deixa de me parecer rasa. E a irmã da Ellen é muito irritante.

Ainda temos a Carol Tobin lutando com sua culpa e parecendo à beira de um ataque de nervos, sempre ajudada pelo prestimoso Leonard (que não é possível que não tenha uma agenda também. Ou será realmente lealdade aos Tobin? Desejo de ter uma família? Etc). Trancada n’um apartamento lidando com o peso do que fez, o estado de Carol é lastimável e quase dá para ter pena dela – praticamente induzida pelo irmão (sem querer eximi-la da culpa) a matar Danielle e agora trancada ali para deixar a poeira baixar… O fato de Carol estar frequentando um psiquiatra permitiu que Tom e Patty se aproximassem dela e descobrissem um pouco mais sobre o misterioso, e essencial, dia de Ação de Graças…

Do futuro, vemos Tom entregar sua demissão a Patty (porque? quando? como a relação dos dois vai se deteriorar?) e também vemos o advogado pulando, aparentemente se matando, portanto (?), de uma ponte. What the hell? Verdade que Damages continua com esses momentos WTF, mas também isso é meio que o leitmotiv da série – é a porra da estrutura narrativa deles, emprestando momentos do futuro e tal – então obviamente nego não pode ficar pagando pau pra série por causa disso (claro que pode, fiquem à vontade pra pagar pau pro que quiserem, mas acho brinks).

Não vou ficar teorizando sobre o cavalo, ou se todo a coisa do buraco na parede foi algo mais que frustraçao com a história de Michael. É óbvio que Patty, apesar de estar na posição de MOCINHA (o que fica claro na cena em qeu descreve Frobisher; Frobisher era o cara mal, o vaidoso e egocêntrico que enganou os funcionários e os deixou a ver navios: Patty foi a heroina que o perseguiu e botou atrás das grades) ela também não ficaria FORA DE LUGAR junto dos bandidos. Patty adora perseguir estes bandidos de colarinho branco e embora esteja sempre no interesse de alguém é claro que ela faz porque aprecia O DURANTE, a adrenalina das investigações e tudo mais. Usando os métodos mais inescrupulosos. Então é claro que ela tem muita coisa escondida – muita coisa debaixo das paredes.

Damages
FX
Terceira temporada
Episódio nove
Escrito por Glenn Kessler
Dirigido por Tate Donovan

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s