fringe – 02×17 – olivia. in the lab. with the revolver.

Interessante como esse episódio foi o inverso de tantos que se anunciavam como “mitológicos” e eram apenas “monstros-da-semana” travestidos: aqui, em um caso de monstro da semana nos deparamos com assuntos que estão entranhados na essência de Fringe, como as experiências de Walter e William Bell com crianças e no que isso resultou para as cobaias.

Quem dispara o caso da semana é Diane Kruger, n’uma participação especial muito curta, que desenvolve um câncer exposto muito rapidamente, depois de ser tocada por uma pessoa contaminada. Essa pessoa se torna o alvo da investigação, que acaba inesperadamente levando às experiências de Bishop e Bell com corteziphan, das quais Olivia fez parte quando criança. A detetive percebe que todas as vítimas da estranha doença que vão surgindo fizeram parte do projeto – ela anotou os nomes que estavam na parede, medindo o tamanho das crianças.

Em busca de uma lista mais completa, e com sobrenomes, dos participantes da experiência, Olivia vai confrontar Nina Sharp. Confrontar porque Peter diz que eles já buscaram isso sem sucesso e Olivia diz que Nina sabe mais do que diz – o que parece óbvio. A excursão não tem muito sucesso nesse sentido, mas Nina também aproveita para confrontar Olivia sobre seus claros sentimentos a respeito de Peter – dizendo que é normal em casos de trabalho tão perto & contínuo que surjam sentimentos, estará falando dela mesma? – e também dizendo que duvide que ela vá revelar a verdade a Peter, porque não quer perdê-lo.

Olivia passa o episódio inteiro lidando com seus sentimentos em relação à descoberta sobre a verdadeira origem de Peter. Inicialmente, ela pressiona Walter para que revele tudo ao filho e está impaciente com relação ao pedido de tempo do cientista. A relação entre os dois está algo formal. Ela chega a visitar o “curandeiro” Sam em busca de algum conforto – e mais uma vez encontrou, meio sem querer, o que precisava: companhia e compreensão.

De alguma maneira algo vai mudando em Olivia ao longo do episódio: eu até fiquei com a sensação, quando corta a cena entre ela e Nina, de algo mais aconteceu, longe dos nossos olhos. De qualquer maneira, ao final do episódio ela vai até Walter e diz que algumas verdades deveriam ficar esquecidas, dando um sinal verde e conivência para a mentira em relação a Peter que certamente vai se voltar contra ela no futuro – no inevitável momento em que Peter descobrir a verdade. Os dois chegam a conversar sobre o quase-beijo que aconteceu e concordam novamente em deixar a coisa como está – pelo que agradeço profundamente – e assim seguimos.

Não foi, e nem tinha como ser, o episódio sensacional da semana passada. E eu senti que muita gente ficou decepcionada porque o título parecia indicar alguma ação e foi, nesse sentido, algo parado. Mas foi uma jornada para Olívia e mais uma vez revelou os malefícios causados pelas experiências de Walter – que destruiram a vida de várias crianças usadas como cobaias. Vendo tudo que vimos dessas crianças, parece que Olivia realmente foi a melhor do cacho hehe…

Promo do 18, White Lies:

Fringe
FOX
Segunda temporada
Episódio dezesseis
Escrito por Matthew Pitts
Dirigido por Brad Anderson

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s