lost – 06×09 – ab aeterno

Não gostei tanto de Ab Aeterno quanto a maioria das pessoas parece ter gostado, mas é inegável que se trata de um episódio histórico e marcante de Lost. Diria que o episódio que trata da vida de Richard Alpert era um dos mais esperados, talvez o mais, da temporada e era inevitável que ele trouxesse respostas intrisecamente ligadas à mitologia do programa, da ilha, porque Richard sempre esteve ligado a tudo isso. Enigmático, misterioso, confiante, é um pouco desconcertante perceber que ele começou tão perdido quanto todos e agora está em um momento de falta de fé.

O episódio mostra o resto da visita de Jacob a Ilana e sua instrução de proteger os candidatos e perguntar o que fazer a Ricardus – e a risada sardônica e desesperada dele é maravilhosa e diz tudo da situação. Quando ele sai blasfemando contra Jacob e demonstrando que está perdido, nu com a mão no bolso, mergulhamos em um flashback que toma quase que todo o episódio, sem interrupção.

Conhecemos Ricardo, um homem das Ilhas Canárias que acaba matando um médico por acidente, na tentativa de levar remédio para salvar sua esposa. É em vão: ele a encontra morta e logo em seguida é preso, tendo inclusive o perdão negado por um padre. A ideia de ir para o inferno e nunca mais ver sua Isabella assusta Ricardo, que n’um último momento, graças ao seu inglês claudicante, consegue vaga n’um navio de Magnus Hanso e parte para uma viagem. O navio naufraga, um dos companheiros diz que o diabo está ali e onde eles vão parar? Na ilha, claro.

As pequenas respostas, como a origem do Black Rock (que todos já desconfiavam), a própria vida de homem de fé de Richard, a quebra da estátua, nada são diante de mais uma olhada diante do conflito que move a ilha – e a resposta, finalmente, do que ela “é”. Richard recebe ajuda do homem de preto, que diz que estão no inferno e para sair dali ele precisa matar o diabo. Dá uma faca e instrui que não deixe o homem falar. O homem, claro, é Jacob, que fala e consegue convencer Richard de que ele está vivo, está ali e as coisas são como são. E explica rapidamente o que se passa naquele cantinho de mundo. Nada de forças eletromagnéticas, purgatório (embora funcione assim em nível pessoal para muitas daquelas pessoas): a ilha é a TAMPA DO INVERNO, hellmouth, e o mal está preso ali e não deve sair para não se espalhar pelo mundo. Não se deve abrir a caixa de pandora.

Só tem duas coisas deprês em tudo isso: 1) a porra do mal está espalhado no mundo. Seria um mal ADITIVADO, imagine. Enfim, a ideia de guardar a porta do inferno é antiga. 2) Jacob ainda parece ser o cara bom, mas os comportamentos escrotos da parte dele crescem. Ele ainda quer provar, e acredita, que o homem é capaz do bem, de escolher o bem por si próprio, e por isso tem esse maravilhoso hobby de atrair pessoas como os marinheiros e escravos do Black Rock para a ilha e pô-las a teste – para provar seu ponto para o MIB. Mas que escroto! Quer dizer, as pessoas têm livre arbítrio, podem escolher, mas ele as arrasta para lá por um joguinho, ainda que significativo (é um ponto interessante a se provar)? “Todos estão mortos”, ele diz a Richard, falando sobre os homens que trouxe para lá – e nós vimos o quão rapidamente Smokey matou todos do navio (por falar nisso, ele “scaneou” o Richard e deixou por que? Quais são os critérios do Monstro de Fumaça? E porque, afinal, ele não pode matar o Jacob? E o que o impede de sair? Etc).

Depois, Jacob ainda faz a linha que deixa cada um por si, por “não querer interferir”, o que escandaliza um pouco Richard – e diante disso o toma como seu capataz. Ele não vai interferir diretamente, mas vai usar Richard como alguém que ajude as pessoas a ficarem no caminho “certo”. Meio roubo isso aí, mas tudo bem, vamos lá. MIB e Jacob têm uma conversa cheia dessas alusões e tudo mais, vou te matar, vou matar quem vier depois e tudo mais…

Já no presente, novamente, tem uma cena que é necessária, mas meio cafona a la Ghost de Hurley vendo Isabella e narrando o que ela diz para Richard e é claro que isso deve colocá-lo de volta ao seu caminho. Ele deve, segundo transmite Hurley, impedir MIB de deixar a ilha. Como? Não sei. Curioso que o MIB também queria Richard ao seu lado e prometeu que o receberia sempre, caso ele mudasse de ideia – bem vibe DEUS né, braços abertos…

É um episódio muito forte do ponto de vista mitológico e eu gostei de conhecer Richard – de vê-lo como alguém totalmente diferente, um homem de fé, apaixonado, que preferiu se punir com a vida eterna a ir para o inferno, como acreditava que iria, e viver longe da mulher amada (embora anyways os dois estejam, nesse momento, fadados a viverem separados). Só achei meio boring às vezes (sim) e como o teor das respostas não é nada sensacional (o que talvez seja bom, estão playing low) não achei tão maravilhoso quanto a maioria das pessoas. Mas foi bom. Nem de longe tão emocionalmente envolvente como The Constant, como alguns estão dizendo, mas bom.

Lost
ABC
Sexta temporada
Episódio nove
Escrito por Melinda Hsu Taylor e Greggory Nations
Dirigido por Tucker Gates

Promo do The Package. Será a reunion Jin e Sun? Porque né, não podem segurar eterno, ou uma hora vai ficar meio que NINGUEM LIGANDO? E WHERE THE FUCK IS DESMOND???

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s