90210 – 02×13 – rats and heroes

Um episódio de volta bastante previsível (e pior, com aquelas improbabilidades previsíveis, vai vendo!) e que nos brindou com péssimos momentos de atuação trazidos a nós pela Shenae Grimes. Não é nem pegação de pé, porque eu fecho os olhos em geral para as deficiências do elenco – que claramente é verde e bem meia boca, em linhas gerais -, mas de vez em quando é dureza de aguentar. Em cenas como essas, que exigiram que Annie se mostrasse assustada, ameaçada e por fim puramente infeliz e revoltada, as limitações da atriz ficam todas expostas.

Vemos no episódio que depois de tudo que aconteceu em “Winter Wonderland” Annie viajou, na certa esperando que um tempo fora ajudasse a fazer com que seus problemas desaparecessem. Não é o que acontece, claro: Jasper já está presente assim que ela entra em casa, deixando flores e uma janela aberta que mostram que ele não está disposto a sair da vida dela facilmente. No dia seguinte, quando a garota tenta dar um fim formal a tudo, ele não hesita em chantageá-la abertamente, ameaçando revelar à polícia o que sabe sobre o atropelo do tio.

Pressionada, Annie continua o relacionamento e afasta as amigas que tentam convencê-la a terminar – e é claro que ali ainda ecoa um pouco da mágoa de tudo que aconteceu no ano que se passou. Dixon também tenta entender porque a irmã, com quem finalmente voltou às boas, deu uma nova chance ao malfadado cunhado, sem sucesso. Duvidando de que Jasper seja uma boa influência, ele resolve se unir a Navid em um plano bem escolar para incriminar o cara: colocar cocaína no armário dele e providenciar uma busquinha, o que ele vai conseguir remexendo nas coisas de seu pai.

A única coisa surpreendente do episódio, e o gancho maior, é que de alguma maneira Jasper consegue ser mais esperto do que eles – e coloca a droga no armário de Navid, revertendo completamente o jogo, se livrando e fazendo com que seu desafeto fique em MAUS LENÇÓIS. Como ele conseguiu antecipar o movimento do inimigo eu não sei – esse lado safo de Jasper ainda é muito misterioso. Também não sabemos ainda uma coisa essencial: como ele descobriu o envolvimento de Annie? Quando houve o memorial para o tio no colégio ele claramente ficou desconfiado ao percebê-la tão pertubada, mas o que fez daí é mistério.

No mais, a série segue com suas desventuras amorosas. E Dixon segue sendo um RATO (no sentido covarde do título e da campanha do colégio). Novamente ele perde uma oportunidade direta de corrigir Silver, deixando-a continuar acreditando que Teddy estava acompanhado na festa por alguém mais do que sua irmã – exatamente quando a garota expressa essa esperança de que a garota não fosse ninguém com quem o cara estivesse romanticamente interessado.

Confrontado por Teddy logo no início do episódio, Dixon assume o interesse por Silver e ainda mente descaradamente: diz que não duvida que os dois continuem envolvidos. Pouco antes ele já havia conversado com Silver e teve que mascarar toda sua vontade de investir nos dois diante da falta de vontade da garota. Os dois estão se sentindo completamente diferentes sobre o beijo trocado: Silver quer esquecer, Dixon acredita em um revival. Inicialmente, constrangido, ele mascara isso para a ex, mas deixa transparecer para Teddy, e quando consegue o que quer, aka afastar os dois, assume para uma desanimada Silver que gostaria de mais uma chance para os dois (contribuição especial de Teddy por ser meio idiota também e depois do que Dixon diz ir falar para Silver aquelas merdas de “uma vez um jogador, sempre um jogador”, pegador, enfim).

É interessante como a série está girando os interesses rapidamente: o relacionamento forte e quase obsessivo entre Silver e Dixon é um borrão passado na série agora e ele desrespeita completamente a história dos dois mentindo tanto para a garota. Teddy estragando o relacionamento entre Navid e Ade também é quase algo remoto agora.

Ade, por sinal, passa o episódio se sentindo (com razão) alienada das amigas. Naomi e Silver ainda estão meio estranhas, ainda que sem maldade, perto dela. A confiança não foi plenamente reestabelecida. Nesse contexto, Gia surge como alguém em quem ela pode se apoiar, se oferecendo como ombro amigo caso ela sinta necessidade de ter alguém “que a compreenda” – no sentido AA da coisa. Ade primeiro nega, diz que suas amigas a entendem, mas depois, quando Silver a critica por ter dado a ideia para Naomi ir nua para festa seduzir Liam (o que ela realmente não fez) acaba sentindo a falta de conexão geral. Pressionada por ver tanta gente bebendo, acaba correndo para Gia. No meio da conversa, uma ex de Gia aparece ao longe e Ade não se incomoda de beijá-la para fazer ciúmes na garota. “Você me ajudou, quis te ajudar”. Ok. Sabemos onde isso vai parar.

Naomi está muito incomodada porque pela primeira vez teve um DATE verdadeiro com Liam e foi horrível, sem assunto, sem clima e tudo mais. Ela desabafa isso com Ivy, a quem inclusive está forçando sua presença além do que eu considero um limite aceitável (rs, a atriz virou fixa, então ok, né), e também com Adrianna – que sugere que ela se está com tanto medo de não ter QUÍMICA com o cara faça logo um teste… E assim que ela vai se oferecer, nua por debaixo de um casaco, para Liam. Eu já tinha lido alhures que o relacionamento dos dois acabaria sendo primariamente físico, então não achei nada surpreendente. Essa coisa dos dois tímidos e meio desajeitas sem saber por onde começar algo tão longamente adiado também não chega a ser grandes coisas.

Completa os DESAGRAVOS AMOROSOS o confronto entre Debbie e Kelly, que é tão patético como a ideia de isso sequer ser um triângulo (com Harry). Debbie descobre, oh, que Kelly está carente e qualquer um poderia ter parecido uma paixonite para ela – calhou de ser Harry. Acaba que ela resolve arrumar um partido para Kelly. Lame história à vista – especialmente porque ela apresenta a Kelly um professor de yoga que está claramente interessado nela, sabe-se lá porquê.

Eis a promo do próximo episódio, Girl Fight (fim dessa coisa AMIGUINHA, né haha ACHO VALIDO):

90210
CW
Segunda temporada
Episódio treze
Escrito por Mark Driscoll e Padma L. Atluri
Dirigido por Stuart Gillar

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s