friday night lights – 04×11 – injury list

O cerco está fechando em FNL e a hora da verdade está chegando perto para todos. A sensação de iminência, e até de CERCO mesmo, é grande. Tami tem uma situação saindo do controle em suas mãos e pode terminar desempregada, Luke comprometeu o time e a sua própria carreira, Julie está prestes a tomar uma decisão que pode mudar sua vida, Tim também está diante de um momento definidor e o técnico tem que se preparar para o grande desafio da temporada: encarar os Panthers.

A situação contra Tami é gritantemente errada; ela ofereceu sua empatia a uma adolescente, que nem era sua estudante, e agora tem isso colocado contra si. Em nenhum momento de sua conversa com Becky ela sugeriu que a garota fizesse nada – nem que abortasse, nem que tivesse o filho. A decisão foi tomada pela menina, que foi levada para a clínica pela própria mãe. Agora, é possível compreender que tudo isso tenha partido da sra. Lafferty, religiosa, que deixa explícito para Luke que aquele era o filho dele “e meu neto”. Até que ponto possa ser levado adiante numa comunidade pequena com Dillon, eu não sei… Leave Tami alone, gente.

Enquanto tenta manter sua mãe afastada de Tami, Becky e tudo o mais, Luke tem que lidar com seu machucado que não melhora, em mascarar a dor nos treinos e continuar conseguindo drogas analgésicas. Ele acaba todas as pílulas e tem dificuldades em conseguir comprar outras. Sua reza para conseguir mais até o jogo de sexta não dá resultado: é no meio de uma partida que ele compromete o time e tem seu machucado descoberto – e agora em um estado pior. Provavelmente ele não poderá enfrentar os Panthers, o que seria bom até pra dar um moral. O seu precioso time, de quem a mãe tanto se ressente, vai ter que passar sem ele.

O jogo contra o Panthers está lá o tempo todo – nas perguntas que Eric recebe pela rádio, na sua preocupação, na tensão dos jogadores. Como seu time pequeno vai conseguir dar testa aos grandiosos Panthers? Está claro que Eric ainda não tem uma resposta. A tensão com tudo isso e claramente a tensão em sua casa fazem com que ele passe a maior parte do tempo n’um bar, enchendo a cara, pensando na vida. Way to go.

E finalmente toda a tensão envolvendoVince e Jess se pagou um pouco. Não, ainda não sabemos muito de nada, mas são só detalhes, né? No duro está tudo lá. Os dois têm um tipo de ligação muito forte e que o tempo, e muito menos Landry, conseguem apagar. Está claro também que ela gosta de Landry – e podemos ver Jess sendo a adolescente casual que sai com seu namorado e se diverte – mas há mais do que isso. Ela visita Regina, ela vê Vince se afundar e aquilo parece mais real.  Vince que não consegue se adaptar prontamente ao mundo do crime e logo tem que testemunhar a morte de Calvin – é demais para ele. Um dia tudo parecia estar em um caminho certo, e agora tudo está tão absolutamente errado.

E vamos falar também dos nossos veteranos? Que episódio para Tim Riggins…Começa lá no alto, sendo elogiado por ser tão confiável pela mãe de , comprando seu terreninho (ainda pode dar errado, né? A mulher achou suspeito o pagamento à vista), levando Becky e para jantar… E aí de repente tudo desaba porque pega ele e Becky na cama, inocentemente assistindo Thelma & Louise, e fica louca – muito motivada por seus ciúmes e certamente se sentindo humilhada, porque Tim a dispensou mais cedo. Diante daquilo, Tim faz a única coisa que podia fazer. Vai embora sem responder aos gritos insanos, nada mais do que um “nunca toquei em sua filha”. Nice. Depois, Becky o procura e faz questão de dizer que ele é um homem melhor do que as pessoas parecem querer acreditar. E pelo menos nessa temporada, com Becky, ele o foi, sim. Grande 33.

Por fim, enquanto Julie pensa em contar aos pais sobre sua decisão de entrar de vez para o projeto de construir casas, deixando um pouco de lado faculdade e afins (o que já tinha ficado no ar no episódio anterior), ela inesperadamente recebe uma ligação de Matt. Julie aproveita para soltar os cachorros, mas não vejo muito sentimento da parte de Matt. Acho que depois de uma atitude tão egoísta, mas compreensível, de largar tudo em Dillon sem olhar para trás ele não deve ter encontrado maneiras de falar com Julie. Faz sentido. Eu sei como é – a gente às vezes adia tanto uma coisa por incapacidade pura de lidar com ela, mas sabe que essa hora vai ter que chegar, e quando chega é horrível. Está errado, atrasado, sem graça. Uma pessoa está magoada, a outra desconfiada. De qualquer maneira, é necessário para os dois. Acredito que eventualmente Julie vá sentir isso e começar a se sentir mais liberada de todo esse peso terrível que tem carregado desde o fim do namoro com Matt.

Já sinto DOR NO CORAÇÃO por mais um final de temporada de FNL, mas vamos lá. Mais futebol nos últimos dois epis! Algo épico contra os Panthers. Go, Lions!

Friday Night Lights
NBC/Directv
Quarta temporada
Episódio onze
Escrito por Kerry Ehrin
Dirigido por Seith Mann

Anúncios

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s