friday night lights – 04×09 – the lights of carrol park

Um bom episódio da série, ainda que agora, tão perto do final, eu tenha uma sensação de que nos perdemos em algum ponto do meio. A história principal a ser contada na temporada é o surgimento do time de East Dillon, os Lions, e certamente estamos vendo isso, mas começo a me preocupar que no final as coisas fiquem meio apressadas. É difícil culpar a série, entretanto. Enquanto tentavam construir um novo time e personagens novos para os telespectadores, estava também lidando com o adeus de Saracen e ainda com personagens antigos como Tim Riggins. E agora temos aqui um episódio que parece menos preso ao passado e apontando inequivocamente para o futuro.

Como já percebemos desde o início da temporada, a vida dos estudantes de East Dillon é mais difícil do que do pessoal da West. Eles moram em uma vizinhança mais sinistra, perigosa, têm mais problemas familiares. O técnico percebe isso ao procurar por Tinker, que não aparece em alguns treinos, e testemunhar um garoto ser baleado em um parque sem iluminação. Preocupado, ele resolve tentar fazer algo para conseguir que voltem a iluminar o local (e morro com Buddy falando que ele e a prefeita tiveram algo “antes dela ir pro time adversário”). Big Mac indica um “ex gangsta” para ajudar o técnico e Buddy a se comunicarem com os garotos e o cara pergunta se Taylor está só se sentindo culpado por ter testemunhado algo ruim, triste, ou se realmente quer fazer algo e ele diz que os dois. Até Big Mac, afinal de contas, suspende seu ceticismo e ajuda.

A sugestão de Buddy para que os Lions façam uma partida amistosa contra os garotos da comunidade é bem recebida e apesar d’eu temer que fosse dar briga (porque mais cedo Vince havia se desentendido com uns dos rapazes) não se concretizou. A partida foi divertida, futebol sem compromissos, “e todos amam futebol”, como diz Buddy.

Big Mac suspendeu tanto seu ceticismo que até deu um emprego a Vince, vejam só, a pedido do Técnico. É um passo adiante na relação de confiança entre todos os envolvidos. Vince pedindo ajuda e referência a Taylor, ele se compremetendo a procurar algo, Bic Mac dando uma chance a despeito do que quer que tenha acontecido entre Vince e Jess – que nós só podemos ficar tentando adivinhar por enquanto. Obviamente ainda há coelho nesse mato, mas no final das contas Vince prefere valorizar o time a brigar com Landry – que meio que vai tentar colocar um ponto final no mal estar entre os dois, depois de Vince ficar encarando-o quando ele vai encontrar Jess.

“Você é melhor do que eles”, diz Big Mac ao perceber a dúvida e a melancolia no olhar que Vince dá aos amigos quando estes saem do restaurante. Ele não é mais um deles, está trilhando outro caminho, e eventualmente pode se prejudicar com essas inimizades (embora Calvin pareça ainda protegê-lo, sensação que tenho). Ele os manda embora e ri quando o amigo diz “se precisar de dinheiro fale comigo” e sabe que está escolhendo o caminho mais longo, mas que é o “certo” (meaning fora do mundo do crime). Vince ainda é um personagem que eu sinto que não entendo direito de vez em quando. Na verdade, acho que é só isso mesmo – vida difícil, algumas más escolhas, aproveitando uma chance. Mas o persoangem em si ainda sinto algum anacronismo, quando lembro da season premiere e tudo o mais, e acho que por isso não consigo relate tanto, até torcer, como costumo fazer pelos outros.

No mais, meus amigos, meu coração caiu no chão na cena nervosa em que Becky diz para Luke que está grávida e precisa de ajuda financeira dele para fazer um aborto. Eu sei que não chega a ser uma trama muito envolvente, afinal de contas dificilmente as abordagens desses casos mostram algo diferente de a garota ter a criança ou perder naturalmente, mas fico um pouco curiosa para ver FNL lidando com o assunto. Junto com, sei lá, drogas, foi um dos temas principais de dramas adolescentes que nunca chegaram para valer na série (teve Smash com anabolizantes, mas é uma vibe diferente). Becky e Luke são meus dois novos personagens favoritos. Com essa nova storyline, vejo fóruns afora a maioria das pessoas dizendo que pouco liga para Becky, de onde veio, para onde vai, e que quando, inevitavelmente, Tim for embora ela vai boiar para fora da série. Talvez. Eu mesma admito que até hoje eu vejo a personagem mais como uma promessa do que como uma realização. E não é alguém de quem eu goste no sentido pessoal (o quão pessoal pode ser gostar de um personagem fictício, não é mesmo?), mas dos novos personagens foi a primeira a ficar mais delineada e que conta com uma interpretação convicente por parte da Madison Burge. Eu acredito naquela pessoa, naquela história, naquela vozinha irritante, naquele crush adolescente pelo Tim Riggins.

Ao contrário da maioria, não acho que essa história é só algo “sem sentido” e distrativo. Estou interessada em ver o que vai acontecer e, muito mais do que isso, como vai acontecer. A maior verdade que foi meio out of the blue a coisa da gravidez per si – eu por exemplo não tinha imaginado que tinha rolado sexo entre Luke e Becky e como sumiram com isso foi meio que do nada, sim -, e os dois como casal são meio química zero, mas é isso aí, né; não existe um relacionamento real e Becky sequer consegue conceber que as perguntas de Luke estão interessadas no seu bem estar. Ela apenas está vendo a si mesmo como uma reprise tão temida da história da mãe -e nós sabemos como essa história é. E super é dentro do personagem Luke colocar sua posição de que se sente desconfortável com um aborto. Pode ser porque a NBC não vá querer mostrar isso, foda-se, mas faz todo sentido Luke dizer isso. Period.

(E eu continuo gostando da interação Becky e Tim e espero que nunca transformem num romance).

Fora toda as toneladas de drama, o episódio foi absurdamente divertido. O sem noção do Glenn foi pedir desculpas para Eric por ter beijado Tami e a cena é hilariante. E, claro, a história não chega a fazer cócegas no casamento dos Taylor, apesar de Eric ter se incomodado por ter ouvido de Glenn e não da mulher e tal, e logo vira assunto para piadas e brincadeiras. É legal também que ultimamente não só Tami e Eric pareciam um pouco nunca estarem no mesmo lugar ao mesmo tempo, como disse Julie, como havia essa sensação de que um não sabia o que estava acontecendo com o outro – especialmente Eric sobre a vida de Tami – e aqui eles colocam que os dois estão sentindo necessidade de mais tempo a sós, blas, e apesar do encontro fracassado conseguem ter um momento sentimental no final do episódio.

E finalmente vemos a Julie esboçando uma reação (e com o Sully rs), you go, girl!

Friday Night Lights
Directv/NBC
Quarta temporada
Episódio nove
Escrito por Patrick Massett e John Zinman
Dirigido por Christopher Misiano

Anúncios

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s