Melhores de 2009 para o Washington Post

Lista eclética e freak do Washington Post, misturando casos midiáticos com seriados e tals – e dando o primeiro lugar para Glee, o que sempre me deixa meio reticente, mas vá lá. Aí jogam um Weeds na terceira posição (temporada absurdamente abaixo dos padrões até onde eu vi – isso mesmo, nem consegui reunir força para terminar ainda, mas o WP garante que foi ÉPICO). Na verdade é uma lista bem popularesca – com True Blood, NCSI, Lost, até The Good Wife e Modern Family – e Weeds, que é underdog em audiência e crítica, parece uma idiossincracia de quem quer que realmente tenha elencado os seriados. Sons of Anarchy também parece out of place.

MELHORES 2009 – TV

1. Balloon Boy
2. Glee (FOX)
3. Weeds (Showtime)
4. True Blood (HBO)
5. The Good Wife (CBS)
6. NCSI: Los Angeles (CBS)
7. Lost (ABC)
8. Sons of Anarchy (FX)
9. Modern Family (ABC)
10. Michael Jackson’s Funeral

melhores de 2009

O ano está terminando e já que não considero que tenho escopo para fazer lista de melhores da década (quem sabe no final do ano que vem, final oficial, já não tenha terminado The Wire e os Sopranos?), vou me lambuzar nas listas de melhores de 2009. Certamente também existem algumas ausências sentidas e me desculpo por elas: ainda estou em menos da metade de Battlestar Galactica e na primeira temporada de Big Love e Sons of Anarchy, portanto não me xinguem porque essas séries não aparecem!

No todo, foi um bom ano para a TV, especialmente para as comédias (IMHO), já que muitas séries dramáticas parecem ter perdido o fôlego nessa volta da fall season (bom, para ser sincera as séries que já são meio erráticas). O grande sucesso de crítica é a comédia/musical Glee, para mim um High School Musical que tenta too hard, outras novas comédias como Modern Family e Community também mostraram a que vieram, o ano teve o Rob Thomas se arriscando com Party Down, Nurse Jackie, que joga melhor com as risadas do que com o choro, e, claro, o upgrade em Parks and Recreation. Em minha opinião, 30 Rock e The Office ficaram até meio tímidas diante das novatas, especialmente considerando a fall season – mas lembrando que a lista de 2009 pega um pouco da temporada anterior, que no caso de 30 Rock é a sensacional terceira.

Vamos aos meus eleitos!

MELHORES DRAMAS

Breaking Bad (AMC). Eu entendo porque algumas pessoas não conseguem se conectar com Breaking Bad. É uma série que não recompensa seu telespectador, que não oferece ninguém para que a gente possa torcer por e às vezes parece vazia. Fora o ritmo lento. O Sepinwall (um crítico que, btw, demorou para cair de amores pela série) fez uma entrevista muito reveladora com o Vince Gilligan. O criador da série dizia que se interessa em explorar os momentos de antecipação, a tensão antes dos acontecimentos, a iminência das coisas – e acho que é exatamente isso que me interessa. Isso e, claro, o real tema do programa: a jornada de Walter White de um professor de química pacífico para um traficante de drogas cruel, sustentada por uma atuação fora de série do Bryan Cranston. Apenas a trajetória desse personagem já seria algo pelo que valeria a pena assistir ao seriado – que eu sinceramente considero tão coeso e forte que tenho dificuldade de estancar os episódios. Essa segunda temporada leva Walter sempre um passo adiante em um caminho sem volta – e eu me mordo de curiosidade para ver onde isso vai parar. E, ah, teve um payback sim essa temporada: finalmente a Skyler começa mais efetivamente a ver que há algo errado, puxa o lençol das mentiras de Walter e isso vai valer a pena conferir.

Friday Night Lights (DIRECTV/NBC). Friday Night Lights continua sensacional – é uma série que consegue ser graciosa até com seus deslizes. Os produtores lidaram de maneira inteligente com a necessidade natural de renovar o elenco – afinal a série gira em torno de um time colegial e os alunos têm que seguir seus caminhos -, meio que zerando o jogo e fazendo a audiência torcer pelo verdadeiro underdog. A quarta temporada ainda tem seus problemas, claro, um deles sendo a palidez do futebol, que está parecendo desconectado de tudo, e a lentidão para se despedir dos veteranos. Mas nada que comprometa a força narrativa da série – cada episódio tem sua função e razão de ser. Pena que são só treze…

Mad Men (AMC). A terceira temporada de Mad Men foi como uma onda – começou tudo tão devagar, tão absolutamente igual, depois tivemos aquele momento de premência em que parecia que o céu ia cair, e nem caiu, foi ficando tudo mais denso, denso, denso e aí BOOMBOOMPOW. Uma temporada que tem um episódio insano como Guy Walks Into An Advertising Agency, estranhezas como The Arrangement, uma cena de sonho-alucinação que não dá vontade de desligar a TV como The Fog, uma pérola como The Gypsy and the Hobo e ainda encerra com Shut the Door. Have a Seat… Olha, isso é sinceramente uma temporada para dar surra em outras séries em premiações. Os haters podem continuar esperando – ainda não foi dessa vez que a bola de Mad Men caiu.

True Blood (HBO). A.Maior.Diversão.Da.TV. A segunda temporada da série pegou o que já era uma geléia maluca e levou um passo adiante – em ambição, insanidade, diversão. É verdade que True Blood passou a se levar menos a sério e, com isso, perdeu um pouco da conotação política que tinha (espero que usem mais a Nan Flanegan!). No início, era uma série exótica que servia de paralelo para todas as minorias em busca de espaço (ainda existe essa leitura, claro, sempre pulsando na história). Mas o parque de diversões que virou essa segunda temporada… Investindo mais em todo seu elenco, ampliando suas possibilidades narrativas, atirando pra tudo que é canto… A série é a mais sexy, divertida e insana da TV. Mas é aquela coisa – ou você está dentro ou não está. E eu certamente estou!

MELHORES COMÉDIAS

Better Off Ted (ABC). É até uma comédia tímida, aqui ao lado das outras, mas a inteligência e a precisão de Better Off Ted a colocam como uma das melhores do ano para mim. É uma série que sabe onde mirar e o faz bem, zombando do mundo corporativo e explorando o talento de Portia de Rossi, Jonathan Slavin e Malcolm Barrett. Better Off Ted passeia pelos absurdos da rotina de trabalho com graça, produzindo pérolas como Racial Sensitivity. Recomendado!

Modern Family (ABC). É a maior verdade que Modern Family estrutura todos seus episódios de modo a ter um momento de redenção sentimental. É um show meio piegas, verdade, e faz questão de ficar reforçando o amor de todo mundo por todo mundo o tempo todo – n’umas meio ABC Family. Mas nada disso compromete o seriado, que é gracioso e já nasceu tão bem entrosado, tanto nas histórias como no elenco. É um programa feito para a gente gostar e não tenho vergonha de gostar por isso – e nem a audiência e a crítica norte-americanas, pelo jeito. Modern Family chegou, conquistou e mostrou que veio para ficar. Melhor assim.

Parks and Recreation (NBC). Eu sinceramente não entendo a forte rejeição da curta primeira temporada de Parks and Recreation. Eu gostei da série de imediato. É provavelmente a série de comédia que eu mais GARGALHO de fato (a gente geralmente reconhece a graça e RI POR DENTRO kkk), e isso desde o início. A similaridade de Leslie Knope com Michael Scott, em minha opinião, é superficial e não resiste a dois episódios, quando entendemos que sao dois personagens essencialmente diferentes. E o “exagero” que muitos viam em Leslie eu meio que vi como a série chutando a porta para chegar, mas sem ofender. Dito isso, é fato que a segunda temporada deu um pimp em Parks and Recreation. Eles aprenderam a explorar o que cada personagem tem de melhor, aprenderam que é melhor deixar o Chris Pratt por perto, perceberam que têm um elenco sensacional em mãos. E cada episódio é melhor que o outro. Para mim, de longe, a grande comédia da temporada – e acho ofensivo SAG,WGA, Globo de Ouro, fecharem os olhos para isso.

Party Down (STARZ). Provavelmente a melhor série em equilibrar comédia e drama com alto nível de sucesso. Os episódios com laivos de drama SÃO FORTES – e nem preciso falar que a comédia é afiada. Outro ás de Party Down é o elenco sensacional, que parece estar se divertindo mas sem ser aquela coisa meio piada interna que bloqueia o telespectador. E as participações especiais só realçam tudo isso.

MELHORES ESTREIAS/FALL SEASON

Modern Family (ABC). Já coloquei a série como uma das comédias do ano e, portanto, ela não poderia faltar nas estreias da fall season que mais me agradaram – muito provavelmente, a que mais me agradou. Enquanto Deus e o mundo hypavam coisas como FlashForward e V, a série da ABC chegou meio timidamente e já é um dos programas essenciais da TV.

The Good Wife (CBS). Um procedural de tribunal misturando com um caso atual de esposa-de-homem-público-que-é-traída. Eu não esperava grandes coisas e talvez essa tenha sido a chave do sucesso. A série trata destes temas pesados delicadamente, é muito honesta com seus objetivos e tem um elenco muito competente – liderado pela Julianna Marguiles. Colocando assim, parece que meio seca e sem carisma, mas todos os episódios exibidos até agora conseguiram ser envolventes e bem feitos. Um pequeno sucesso da CBS.

The Vampire Diaries (CW). OK, não me atirem pedras por incluir uma série teen (ohhh!) aqui, e ainda mais de VAMPIROS TEEN, mas The Vampire Diaries meio que se apegou com todas as forças à chance que teve – com essa conjunção do destino tão favorável a esse tipo de programa por agora. A série consegue sucesso onde a maioria de suas similares falha miseravelmente – tem um trio de atores principal que consegue atuar, consegue explorar bem seus personagens secundários e lida com maior naturalidade com todas as bizarrices herdadas da série de livros que a originou. A série é carregada pelo Kevin Williamson, de Dawson’s Creek, e a Julie Plec, da bizarra Kyle XY, que estão fazendo um bom trabalho em fazer um seriado com apelo do que parecia tão um poço sem carisma a princípio.

PERFORMANCES
(comédias, dramas, coadjuvante, protagonista. 10 grandes atuações de 2009, ordem alfabética)

Bryan Cranston, Breaking Bad (AMC).

Elisabeth Moss, Mad Men (AMC).

Eric Stonestreet, Modern Family (ABC).

Glenn Close, Damages (FX).

Jane Lynch, Glee/Party Down (Fox/Starz).

Jennifer Carpernter, Dexter (Showtime).

Jon Hamm, Mad Men (AMC).

Merritt Weaver, Nurse Jackie (SHOWTIME).

Nick Offerman, Parks and Recreation (NBC).

Zach Gilford, Friday Night Lights (NBC/DIRECTV).

MELHORES EPISÓDIOS
(comédias, dramas. De acordo com a data de exibição)

Apollo, Apollo, 30 Rock, NBC.
Exibido em 26 de março.

Peekaboo, Breaking Bad, AMC.
Exibido em 12 de abril.

Taylor Stiltskin Sweet Sixteen, Party Down, STARZ.
Exibido em 24 de abril.

Now or Never, Grey’s Anatomy, ABC.
Exibido em 14 de maio.

Epitaph One, Dollhouse, FOX.
Exibido em 18 de julho.

I Will Rise Up, True Blood, HBO.
Exibido em 16 de agosto.

Niagara, The Office, NBC.
Exibido em 8 de outubro.

The Gypsy and the Hobo, Mad Men, AMC.
Exibido em 25 de outubro.

Greg Pikitis, Parks and Recreation, NBC.
Exibido em 29 de outubro.

The Son, Friday Night Lights, NBC/DIRECTV.
Exibido em 02 de dezembro.

The Beautiful Life já está no Youtube

O Ashton Kutcher divulgou neste sábado (26) o canal do YouTube para onde vão os episódios de The Beautiful Life. No site http://www.youtube.com/tbl o telespectador poderá assistir aos episódios produzidos, que a CW optou por não exibir por conta da baixa audiência que a série conquistou.

A série foi cancelada depois de somente dois episódios irem ao ar – foram produzidos cinco, que já estão disponíveis no YouTube.

Veja também:
the beautiful life – 01×01 – pilot

Satellite Awards 2009

O Satellite Awards 2009 foi entregue no dia 20 de dezembro. Esta foi a 14a. edição da premiação, que sagrou Glee e Breaking Bad como os destaques do ano. Glee venceu em cinco categorias e Breaking Bad levou para casa outras três premiações. A lista completa dos vencedores vocês conferem agora:

SÉRIE – DRAMA
Só coisa boa. Breaking Bad merece, especialmente considerando que a série nunca recebe nada mais do que o melhor ator de praxe pro Bryan Cranston nos prêmios de maior destaque.

Breaking Bad
Damages
In Treatment
Mad Men
Big Love
The Good Wife

SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL
Categoria extremamente fraca, o que faz a vitória de Glee nem ser tão aberrante. Sério que nego indicou a pior temporada de Weeds, uma das meeiras de 30 Rock, TBBT, HIMYM e nada de Modern Family, Better Off Ted ou Parks and Recreation? E até Community, Nurse Jackie, fariam melhor. Glee nunca venceria nada num Carol’s Award, mas é isso mesmo.

Glee
Weeds
30 Rock
The Big Bang Theory
How I Met Your Mother
Flight of the Conchords

ATRIZ COADJUVANTE
A Jane Lynch é a melhor coisa de Glee e fico feliz por ela. Legal terem indicado a Sevigny também, depois de tanto tempo informalmente BANIDA das premiações.

Jane Lynch, Glee
Chloë Sevigny, Big Love
Anika Noni Rose, The No. 1 Ladies’ Detective Agency
Judy Parfitt, Little Dorrit
Vanessa Williams, Ugly Betty
Cherry Jones, 24

ATOR COADJUVANTE
Boa! Apesar de todos os problemas que eu tenho com a quarta temporada de Dexter, Lithgow esteve impecável. E bela lembrança indicarem o John Noble, que segue meio under the radars com seu papel de Walter Bishop.

John Lithgow, Dexter
John Noble, Fringe
Neil Patrick Harris, How I Met Your Mother
Tom Courtenay, Little Dorrit
Chris Colfer, Glee
Harry Dean Stanton, Big Love

ATRIZ DE DRAMA
Grande! Fica naquelas, né? É justo a Glenn Close continuar acumulando prêmios? É justo deixar de premiar um artista porque ele já “ganhou demais”? Aqui estava uma categoria que tinha outros adversários à altura. A Edie Falco, a Julianna Margulies e mais que tudo a Elisabeth Moss (seu dia vai chegar!), mas nunca vou achar injusto premiarem a Glenn!

Glenn Close, Damages
Julianna Margulies, The Good Wife
Jill Scott, The No. 1 Ladie’s Detective Agency
Stana Katic, Castle
Edie Falco, Nurse Jackie
Elisabeth Moss, Mad Men

ATOR DE DRAMA
Idem tudo que disse acima.

Bryan Cranston, Breaking Bad
Bill Paxton, Big Love
Jon Hamm, Mad Men
Gabriel Byrne, In Treatment
Nathan Fillion, Castle
Lucian Msamati, The No. 1 Ladies’ Detective Agency

ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Como minha mão no dia que a Lea Michele for melhor do que qualquer uma dessas outras, mas, bom. O Satellite Awards gosta de Glee, we got it.

Lea Michele, Glee
Toni Collette, United States of Tara
Tina Fey, 30 Rock
Mary-Louise Parker, Weeds
Brooke Elliott, Drop Dead Diva
Julie Bowen, Modern Family

ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
RS.

Matthew Morrison, Glee
Alec Baldwin, 30 Rock
Jemaine Clement, Flight of the Conchords
Jim Parsons, The Big Bang Theory
Stephen Colbert, The Colbert Report
Danny McBride, Eastbound & Down

ATOR/ATRIZ CONVIDADO (A)
Até mesmo tem essa categoria especial toda feita pra Glee brilhar. Pelo menos foi pela Cheno…

Kristin Chenoweth, Glee

MINISSÉRIE

Little Dorrit
Wallander
Diamonds
The Prisoner
Collision
Generation Kill

ATRIZ – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Drew Barrymore, Grey’s Gardens
Jessica Lange, Grey’s Garden
Judy Davis, Diamonds
Lauren Ambrose, Loving Leah
Sigourney Weaver, Prayers for Bobby
Janet McTeer, Into the Storm

ATOR – MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Brendan Gleeson, Into the Storm
Kenneth Branagh, Wallander
Kevin Bacon, Taking Chances
Ian McKellen, The Prisoner
Jeremy Irons, Georgia O’Keefee
William Hurt, Endgame

melhores do ano para o Hit Fix

O Hit Fix divulgou sua lista com melhores 20 programas do ano. Algumas faltas muito sentidas (sério que 30 rock não entra nos melhores 20? Nem True Blood?), mas é aquilo, né. A lista não é da gente. Com 20 lugares dá pra contemplar quase tudo e sobra só a concordância/discordância sobre a posição de cada série. No fim, é uma tríade na frente muito típica de crítico norte-americano. Mad Men e Sons of Anarchy são duas séries adultas, maduras, bem feitas e bem atuadas e Chuck é o queridinho irreverente dos jornalistas de lá. Eu gosto também, mas não faturava na frente de, sei lá, FNL, nunca. Mas é isso, só mais uma lista. Vejam:

20. “queima de verão” da ABC
19. dexter
18. the big bang theory
17. dollhouse
16. community
15. the office
14. nurse jackie
13. better off ted
12. lost
11. modern family
10. parks and recreation
09. big love
08. kings
07. torchwood: childrens of earth
06. friday night lights
05. curb your enthusiasm
04. ESPN: 30 for 30
03. chuck
02. sons of anarchy
01. mad men

friday night lights – 04×07 – in the bag

Uma chance interessante de vermos a Aimee Tergardeen mostrar o quanto evoluiu como atriz desde o começo da série – ainda que muitos pontos da história desse episódio me irritem e pareçam excessivos. Eu entendo que Matt está passando por uma mudança. Tudo que aconteceu com ele neste último momento foi construído para que ele tivesse seu getaway e não olhasse para trás. Ainda assim, não consigo comprar muito essa coisa de que ele foi embora, sem lenço, sem documento, sem dar satisfação alguma para Julie. E passa dias e dias sem ligar. Fizeram essa desconstrução da season finale da terceira temporada (sorry ser chata e voltar a falar nisso), colocando a estadia de Matt em Dillon direta e primariamente ligada à Julie e agora cortar esse laço parece ser essencial para a independência que Matt procura.

continue lendo

Melhores do ano para Entertainment Weekly

Um dos críticos da Entertainment Weekly escolheu os dez melhores programas de 2009. Taí uma lista bem pipoca, curti. Confiram e digam se concordam ou não:

01. true blood (hbo)
02. fringe (fox)
03. modern family (abc)
04. sons of anarchy (fx)
05. nurse jackie (showtime)
06. breaking bad (amc)
07. friday night lights (nbc/directv)
08. mad men (amc)
09. glee (fox)
10. the good wife (cbs)

Para Ken Tucker, True Blood é “erótico, engraçado, assustador e político”. O crítico também destaca que o que vimos é apenas o início e que a série tem potencial para crescer como entretenimento, “usando a pequena cidade de Bon Temps como um microcosmo da assustadora e complicada bagunça em que todos vivemos”.

Já o controverso segundo lugar para Fringe (que em minha opinião tem uma boa segunda temporada, mas somewhat confusa ainda) ele justifica dizendo que a série “expandiu seu universo paralelo e manteve seu quociente sobrenatural assustador, enquando ainda sustenta sua qualidade”. Tucker também salienta que o trio principal está com mais nuance e cutuca Lost, dizendo que consegue acompanhar as reviravoltas e conceitos sci-fi de Fringe, enquanto que na outra série do J.J. Abrahms só os muitos dedicados conseguem seguir adiante.

O crítico também elogia a Edie Falco, por conseguir interpretar a Jackie de modo que esqueçamos que ela já foi uma Soprano, e diz que Walt e Jesse, de Breaking Bad, são os verdadeiros “mad men” da AMC. Uma lista muito pessoal e válida, por que não? Neguinho adora dizer que a lista não tem credibilidade porque não tem Dexter, House ou qualquer outra porra, AKA não tem credibilidade porque eu não concordo… As if.