skins – 03×08 – effy

Foi o episódio da verdade em Skins – só faltou a Naomi descobrir que a Emily fez sexo com o JJ, ainda que n’umas de buddy (achei que ia ter isso porque mostra a história das duas na preview meio para nada, embora dê uma insinuada no triângulo quando as duas saem da cabana e depois vem o JJ, desengonçado).

O fato de Pandora continuar dando pra Cook veio à tona, magoando não só o Thomas, que já sabia, como também a Effy. O fato de Effy estar desinteressado nele parece pertubar Cook profundamente. Mas vamos por partes.

O episódio é centrado na Effy, a rainha do blasè e dos problemas clichê da juventude atual. No início, vemos um pouco de como sua vida está: fazendo sexo automático e entediado com Cook, no eterno uso do sexo como escapismo, a mãe numas de curtir ódio por homem (alô tia, você quem chifrou seu marido!) sem dar atenção à filha – como teste, Effy diz que está grávida, para ver se a mãe está ouvindo: não está.

Effy joga um vaso no chão, acordando a mãe do delírio, depois de conversar genericamente sobre como “broke up” com Cook – para mim os dois sempre foram só sexo sem compromisso, como o próprio Cook disse a JJ no último episódio, tanto que quando ela descobre que Pandora deu pro Cook na festa e faz a ofendida eu NUNCA ENTENDI. Quer dizer, Panda já tinha dito que um dos fatores da amizade delas era ela (Pandora) não representar ameaça para Effy no quesito HOMEM. Isso só mostra a controladora hipócrita que Effy é – e eu sei que ela deve saber disso e se angustiar, mas infelizmente não consigo relate com essa personagem.

Infeliz, Effy vai até a casa de Freddie – de repente, amor! – e lá está ele se agarrando com Katie no porão. Katie ta gostando muito de pegar Freddie, de ver isso afetar Effy, de estar no controle. Os dois estão casalzinho, mãos dadas, risadinhas… Katie pergunta se Effy dirige, para convidá-la pr’uma festa na mata “íntima”, onde Cook não seria bem vindo porque “nós não gostamos dele”.

A sós com Effy, Freddie diz que ela deveria ir. “Você quer que eu vá?”, pergunta Effy, ao que ele dá de ombros. Ele tenta arrancar dela o que ela foi fazer lá, sem sucesso, sempre na esperança de ouvir a declaração que fez a ela voltar…

Ao som de uma das músicas mais NOIAS do Third, do Portishead (Machine Gun), Effy parece ter uma crise de ansiedade e vomita ao sair do local (DISGRESSÃO: portishead é muito nóia, não sei como dizem que é bom pra fazer sexo. Quando to no ônibus e começa a tocar no ipod, tiro porque começo a achar que todo mundo vai me assaltar). A música segue também o início da viagem rumo à “festa” – toda galere no carro.

Depois, um pimpão Cook aparece na porta da casa de Effy com uma torta para descobrir que ela não está lá e ouvir da mãe dela que eles “terminaram”. Ele liga para Pandora, que diz que “Não pode falar” – está espremida no carro, um melancólico Thomas logo atrás. Com Katie como co-piloto, eles acabam se perdendo. Katie pede orientação para uns caras num posto – na pura escrotidão, o cara, que tem uma CAVEIRA NA CABEÇA, esse é o nível, sacaneia nas indicações.

Essa série ta muito sem critérios: é um episódio com comédia escrachada, o outro com um clima de suspense out of the blue… Um dos caras mostra uma espingarda para intimidá-los e o outro encurrala Katie na loja deserta de conveniência. Chamados de freaks, os caras seguem a galere, numas meio, como é, Olhos Famintos, até que eles desistem. Uma hora alguém começa a rir e é Effy, fazendo os outros rirem. “It’s not funny”, diz Katie, sendo consolada por Freddie – nessa to com a gêmea esnobe, essas coisas cilada só são engraçadas quando já estamos em casa…

Já na mata, procurando canto para acampar, Freddie e JJ tentam conversar com Thomas, que está agindo como se “tudo estivesse normal” depois de Cook ter admitido que pega a Pandora (no episódio anterior). Ele pede que aquilo fique entre eles – como veremos mais à frente, ele joga uns verdes, parecendo querer que Pandora confesse algo.

Eles chegam n’uma clareira e todos parecem felizes e bonding, deixando Effy deprimida – até Pandora, que estava de mão dada com ela, larga pra ir brincar com Katie. Ela se deita sozinha na grama, enquanto o pessoal bebe, acende um fogo, monta as barracas…

Depois, Pandora fica melancólica e Effy vê, indo conversar com ela. “Relacionamentos não permanecem os mesmos, né?”, pergunta Panda à melhor amiga, sentindo Thomas diferente. Effy diz que está lá para ajudá-la no que for preciso, mas Pandora diz que está tudo bem.

Com cogumelos achados na mata, Effy rouba a festa de Katie – a drogada que escondeu maconha nos brownies do aniversário de Pandora diz que não é “este tipo de festa”, mas todos preferem comer um a seguir seu pedido, até a irmã. Só Pandora hesita – “o amor é toda droga que preciso”, mas Thomas dá uma queimada – tipo pressionando para mostrar que não ta perfeito, ver se ela desiste de manter as aparências de que está tudo mara entre os dois.

“Don’t fuck cry”, diz Katie a si mesma, vendo todos comendo cogumelos – e depois todos pulando e dançando chapados, e ela se sentindo de fora, vendo as coisas saindo de controle, vendo gente DOIDA. Nunca pensei que diria isso, mas nesse episódio eu consigo relate com a Katie! Será o efeito Effy-antagonista? Acho que não… Elas sempre foram um pouco antagonistas, uma hora a fight ia ter que ir pr’um plano mais direto, as duas medindo poder de uma maneira mais concreta.

Enquanto Freddie está deitado com Katie, Effy estende a mão e toca na mão dele. Está tudo embaçado pelos cogumelos, nuns efeitos bacanas (me lembraram um pouco That 70’s show, quando um dopado Eric ia ouvir bronca dos pais. A direção do episódio é muito boa, além dos efeitos dos cogumelos tem muitos planos da Effy deslocada no cenário, ou sozinha num canto com o resto da tela vazia, reforçando seu isolamento. A trilha segue o óbvio às vezes, mas com o sucesso usual, gostei muito). Katie começa a gritar com ela sobre como só a convidou por causa do carro e agora ela está fazendo um papel “ridículo”, estragando a festa.

Acordando, Effy percebe que as bolsas sumiram e eles começam a ouvir uns tiros. Eles desligam o som, apagam o fogo e ficam lá com o CU PISCANDO, abaixados. Até que aparece uma figura correndo e gritando em direção a eles e Effy, na louca, vai e derruba: é o idiota do Cook, “you fuckin prick”, diz Freddie, alterado. Cook assume que foi ele que assustou a galera, embora os tiros tenham sido dados pelos “psycho”.

Esse é o ápice do episódio. O Cook, abandonado, funciona como um kamikase: “Effy doesn’t want me anymore”, diz Cook, falando para Freddie “Ela ainda não te contou?”. Katie diz que ela e Freddie não têm nada a ver com isso, mas a reação dele é meio retardada pela informação bombástica recém-recebida, o que chateia a namorada, que sai do local.

Até JJ fica pertubado com o clima de estragar tudo de Cook e pede que ele vá embora porque ninguém gosta dele ali. Antes, Cook ainda envenena a amizade entre Pandora e Effy, e quando vai falando do sexo constante que vem mantendo com Panda ela tenta (pateticamente) correr com Thomas, que admite que já sabe do fato.

Effy fica chocada porque a amiga estava “dando para seu homem” regularmente, não só “daquela vez”. Cook tenta provocar Thomas, que faz o superior e não bate nele, mas diz que Pandora não é mais a pessoa por quem se apaixonou. E é ela que esmurra Cook!, perseguindo Thomas depois. Cook adora! Ele gosta é do caos, mesmo.

Começa a tocar She’s Lost Control do Joy Division e a Effy sai correndo na louca pela floresta, encontrando Katie na floresta – e ou é o efeito das drogas ou Katie começa a pertubá-la. “Tem coisas no seu cabelo”, “não tem nada no seu cabelo”, “please don’t take him from me”, chorando, “até parece que você pode roubá-lo de mim”, agressiva e partindo para cima de Effy. Ela bate e cospe na rival, tudo enfumaçado pelos cogumelos, e Effy dá com uma pedra na cabeça dela, largando lá.

De volta, ela encontra Freddie e pede que ela bata nela, no clássico “I wanna feel something”, ao que ele responde agarrando-a – os dois fazem sexo ali mesmo, na mata, com Katie sangrando n’algum ponto ali perto. No outro dia de manhã, ninguém sabe dela e voltam sem Katie – todos numa tranqüilidade, nem Emily freakin out. Effy para o carro e liga pedindo uma ambulância, sem saber explicar direito onde Katie está – tudo em segredo, claro.

Suja e chorosa, ela é banhada pela mãe e passa uma tarde dos infernos, tentando ligar para todos sem sucesso. Depois Freddie liga para dizer que Katie foi achada machucada, passou a noite na floresta sozinha. Effy vai ao hospital e é recebida com hostilidade – quando acorda, Katie conta tudo que se passou e Freddie fica puto. “I was tripping”, diz Effy, tentando se desculpar. Freddie é o que faz o que tem padrões morais hahaha, tipo BRIGUEI COM MINHA NAMORADA E TE COMI ONTEM, agora to puto. Emily e Pandora também não perdoam. “Ela podia ter morrido”, diz Emily.

Solitária, Effy volta a hanging com o Cook – tipo os proscritos. “It’s you and me, babe. Always gonna be”, diz ele. Aguardem os próximos episódios!

amizade balançada
amizade balançada
Anúncios

Autor: carol

there ain't no catcher in the rye vamo se jogar!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s